Pelecanus

Logo Pelecanus

Desmentindo os 6 Estereótipos Mais Famosos Sobre a Colômbia

A select coffee from the Coffee Triangle in Colombia.

Atualizado em 08/03/2024

Caro leitor,
Também gostaria de recomendar nosso guia de viagem para a Colômbia, que oferece uma visão geral perfeita das atrações turísticas do país. Aproveite a leitura.

A Colômbia é um paraíso, um país cheio de vilas sonhadoras e maravilhas da natureza, que você dificilmente encontrará em nenhum outro lugar do mundo. Infelizmente, a Colômbia também é uma nação cheia de estigmatizações e estereótipos que muitas pessoas de todos os países replicam.

Há sempre aqueles que acreditam que o colombiano é alguém que está sempre feliz ou, pelo contrário, que é um especialista em drogas porque ele é do mesmo país que Pablo Escobar. Tudo isso não é necessariamente verdade, muitas vezes o que você vê na internet ou na televisão não são um reflexo preciso desta sociedade.

É verdade que a Colômbia tem um passado sombrio e violento, mas este é um país que avança a cada ano, atualmente, posso garantir que é um paraíso que vale a pena visitar. É por isso que eu quero explicar por que surgem alguns dos estereótipos mais difundidos da Colômbia e também mostrar como é a realidade.

A Colômbia é um país muito violento

É verdade que a Colômbia é um país que historicamente tem sido inundado pela violência. Durante o século XX, esta nação esteve envolvida em diferentes conflitos de guerra. Um exemplo disso foi a Guerra dos Mil Dias, que foi um conflito civil entre os dois partidos políticos predominantes da época (que até hoje ainda existem), os Liberais e os Conservadores. Além desta guerra, a maioria dos conflitos teve estes partidos políticos como protagonistas. Este período era conhecido como o Bipartidarismo.

Além do acima exposto, o abandono do Estado para várias comunidades, como camponeses, indígenas e pessoas de baixa renda, levou a massacres e eventos incomuns. Um fato lamentável que o prova foi o Massacre de las Bananeras, onde o exército matou um número ainda indeterminado de pessoas em 1928. Isto porque os trabalhadores entraram em greve e o governo a fim de preservar os interesses particulares, neste caso os da empresa norte-americana United Fruit Company, decidiu executar um massacre que é considerado um dos eventos mais lamentáveis da história do país.

Além da violência, os escândalos políticos têm sido comuns na Colômbia ao longo da história. Por exemplo, o suposto roubo nas eleições presidenciais de 1970 ao candidato Gustavo Rojas Pinilla fez com que diferentes grupos fora da lei emergissem no país, como a guerrilha M-19 (Movimiento 19 de abril). 

As FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), considerada a guerrilha mais sanguinária e poderosa do país, têm uma origem política. Em 1964, o presidente da época, Guillermo León Valencia, com o objetivo de “pacificar” o país, ordenou o bombardeio de Marquetalia, um vilarejo localizado ao sul de Tolima, onde viviam alguns ex-guerrilheiros liberais, mas também muitos camponeses. A partir desse momento, um grupo de pessoas liderados por Manuel Marulanda Vélez (também conhecido como “Tirofijo”) fundou as FARC e iniciou uma guerra que durou mais de 50 anos.

O abandono do Estado, a extorsão, os massacres e o deslocamento tornaram-se o pão diário na Colômbia. Isto fez com que a imagem deste país se deteriorasse. O medo de visitar a Colômbia era tal que mesmo durante a Copa América de 2001 (que foi realizada nesta nação), equipes como a Argentina decidiram não participar por causa de toda a violência que a Colômbia estava passando naquela época.

O imaginário que as pessoas têm sobre a Colômbia não é o melhor, mas a questão é: ainda somos o mesmo país?

Violência na Colômbia hoje

Não podemos negar que mesmo nos últimos tempos, a violência continua a ser um forte problema no país, mas a Colômbia não é mais a mesma nação que era anos atrás. Em 2018, o ex-presidente Juan Manuel Santos conseguiu assinar um acordo de paz com o mais antigo e poderoso grupo guerrilheiro da América Latina, as FARC, encerrando uma guerra de mais de 50 anos.

É graças a isto que lugares como Palomino (uma vila localizada no departamento de La Guajira), onde era comum ver confrontos entre as FARC e os grupos paramilitares, é atualmente um paraíso turístico visitado por muitos turistas nacionais e internacionais. A propósito, você pode ler o guia sobre o maravilhoso Palomino

Graças ao pós-conflito, alguns locais agora têm uma oferta turística melhor e obviamente mais segura. Alguns exemplos incluem a Sierra de la Macarena (Meta), onde está localizado o belo Caño Cristales, San Vicente del Caguán (Caquetá), onde estão alguns ex-guerrilheiros que agora trabalham como guias e como instrutores de rafting no rio Pato, e Florencia (Caquetá), que se destaca por suas maravilhas naturais.

A maioria dos grupos armados como o M19 já estão desmobilizados. E embora em 2017, como registrado na página Our World in Data, a Colômbia ainda era o país latino-americano com mais vítimas devido ao terrorismo, a verdade é que houve uma diminuição considerável ano após ano e não se compara à situação dos anos 80 e 90.

Se você visitar uma grande cidade, você não deve ter medo, você não vai encontrar guerrilheiros ou agentes perigosos. Sim, em certos setores de Meta, Guaviare, Caquetá e outros departamentos há insegurança, mas nada comparado ao que era anos atrás, muitas das maravilhas naturais na Colômbia agora podem ser visitadas.

Se eu for para a Colômbia, serei sequestrado

Outro dos medos mais comuns sobre a Colômbia é o sequestro. Essa prática foi, infelizmente, muito comum durante a década de 1990 e até mesmo no início do século XXI.

Como mencionado anteriormente, houve muitas organizações criminosas na Colômbia e uma das modalidades de grupos como as FARC foi o sequestro. Chegou um ponto em que a situação era tão grave que, durante os anos 90, o sequestro era comum. Em 2000, foi atingido o lamentável número de mais de 3.500 casos de sequestro, apenas naquele ano. Felizmente, esta modalidade criminosa começou a declinar nas duas décadas seguintes.

Em muitas ocasiões, pessoas sequestradas poderiam ser alguém proeminente e influente, incluindo o futuro presidente da Colômbia em 1998, Andrés Pastrana, que foi sequestrado em 1988 por um grupo de traficantes de drogas que se autodenominavam los Extraditables (os Extraditáveis). Outro caso muito marcante foi o da candidata presidencial Ingrid Betancourt, que foi sequestrada no contexto das eleições de 2002 pelas FARC. Ela permaneceu sequestrada até 2008.

Alguns estrangeiros também foram sequestrados na Colômbia. Por exemplo, os americanos Thomas Howes, Keith Stansell e Marc Gonsalves, que faziam parte do Plan Colômbia (um acordo antidrogas estabelecido pelos governos da Colômbia e dos Estados Unidos) tiveram a desgraça de as FARC abaterem o avião em que estavam viajando.

Tudo isso aconteceu nas selvas do departamento de Guaviare em 2003. Os 3 americanos foram mantidos em cativeiro até 2008, quando foram libertados pelo exército. Dito isto, novamente a questão é: o sequestro, hoje em dia, é uma ameaça real para os turistas na Colômbia?

O Sequestro na Colômbia hoje

Mais uma vez, sem querer negar que na Colômbia houve um tempo em que o sequestro era pão diário, hoje esta ameaça foi reduzida aos seus mínimos históricos.

Com a desmobilização das FARC e de outros grupos criminosos, o sequestro está se tornando menos comum na Colômbia a cada ano. Em 2000 poderia haver até 10 sequestros por dia, enquanto em 2019 houve 88 sequestros no total, e é claro, em áreas que um turista não vai visitar. 

A maioria dos sequestros não são mais por temas de política, mas são por temas de extorsão. Isto significa que eles mantêm as pessoas em cativeiro por um curto período de tempo e pedem à família um resgate monetário. Os grupos que praticam isto são, em sua maioria, dissidentes e guerrilheiros das FARC conhecidos como ELN (Exército de Libertação Nacional).

Isto ocorre em setores afastados do departamento de Arauca e norte do Cauca. Posso garantir que se você visitar qualquer uma das grandes cidades da Colômbia como Bogotá, Medellín ou Cali, você não terá nenhum problema. E mesmo lugares como Palomino, que no passado foi uma zona de guerra entre guerrilheiros e paramilitares, é agora um paraíso onde os estrangeiros podem ir para desfrutar sem qualquer medo.

Na Colômbia só faz calor

Outro dos mitos mais comuns sobre a Colômbia é o clima. Há muitas pessoas que pensam que, por estarem em um país sul-americano, provavelmente será muito quente.

A situação é tão implausível que até já vi como as pessoas que viviam na Colômbia, esquecem como é o clima e vêm a Bogotá com roupas ideais para estar em um verão quente, quando é uma cidade onde pode fazer muito frio.

Mesmo na própria capital, no bairro La Candelaria, que está localizado no centro histórico de Bogotá e é um dos pontos que mais recebe turistas, é muito comum ver estrangeiros com roupas ideais para um clima quente. Os bogotanos sabem como reconhecer facilmente os estrangeiros por essa razão.

A verdade é que o clima da Colômbia é incrivelmente variado e você pode encontrar todos os tipos de clima. Por exemplo, municípios como Tunja (Boyacá) registraram temperaturas abaixo de 5ºC, enquanto cidades como Santa Marta (Magdalena) podem ter temperaturas acima de 25ºC.

Na Colômbia, dependendo da altitude acima do nível do mar, há climas como:

  • Clima quente, que excede os 24°C.
  • Clima temperado, cuja temperatura média está entre 17°C e 24°C.
  • Clima frio, cuja temperatura varia entre 12°C e 17°C.
  • Glacial, lugares como a Sierra Nevada de Santa Marta ou a Sierra Nevada del Cocuy, onde a temperatura pode ser inferior a 0°C.

Para entender mais sobre este tema, recomendo que leia nosso blog sobre o clima da Colômbia.  

Na Colômbia todo mundo adora as drogas

É inegável que a Colômbia tem um passado sombrio com a cocaína e com outras substâncias psicoativas.

Infelizmente, deste país veio o chefão da droga mais perigoso da história: Pablo Escobar, que era o líder da temível organização chamada Cartel de Medellín. Além de Escobar, durante as décadas de 1980 e 1990, outras organizações como o Cartel de Cali e o Cartel do Norte também estiveram envolvidas neste negócio ilícito. Além disso, não esqueçamos que na Colômbia grupos armados como a agora extinta guerrilha das FARC e os paramilitares também estiveram envolvidos no negócio das drogas.

Isto é verdade, mas não significa que toda a Colômbia ama as drogas, pelo contrário, é a sua maior maldição. A luta contra as drogas criou um mar de sangue na Colômbia, estima-se que entre 1989 e 2013 pelo menos 15.000 pessoas morreram por causa do tráfico de drogas. Entre 1989 e 1993 (período em que o Cartel de Medellín esteve ativo) cerca de 5.000 pessoas morreram como resultado do tráfico de drogas.

Além disso, foram registrados mais de 600 ataques que estão relacionados a organizações de tráfico de drogas. Por exemplo, estima-se que só entre os meses de setembro e dezembro de 1989, o Cartel de Medellín colocou mais de 100 bombas em locais como supermercados, bancos, escolas, etc. 

Tudo isso é irônico, pois muitos colombianos são ultraconservadores e nunca consumiram nenhuma dessas substâncias. Infelizmente, posso garantir que se você tem um amigo colombiano e perguntar a ele qual foi a primeira coisa que lhe foi dito quando ele viajou para o exterior, ele vai responder “eles me questionaram sobre cocaína e Pablo Escobar”. Este fato irrita muitos colombianos.

Séries como Narcos, Escobar, el patrón del mal e outras narconovelas fizeram pessoas influentes como o youtuber AuronPlay, com mais de 27 milhões de inscritos, fazer imitações e referências a Pablo Escobar.

Até mesmo as primeiras páginas de notícias repulsivas, como a feita pelo jornal britânico The Sun, onde fizeram um jogo de palavras entre cocaína e go kane, antes do confronto entre a Colômbia e Inglaterra na Copa do Mundo de 2018, fizeram com que a Colômbia fosse vista como um país que ama as drogas.

A Colômbia e a droga hoje

Agora vamos responder à pergunta de um milhão de dólares, se eu for para a Colômbia eles vão me oferecer drogas a cada momento? A resposta rápida é NÃO.

Na Colômbia a venda de drogas é proibida, e nas principais cidades você não encontrará ‘camellos’ (é assim que os traficantes de drogas são definidos) em cada esquina. Muitos colombianos nunca tiveram experiências com drogas. Em 2013, um relatório intitulado “Estudo nacional do uso de substâncias psicoativas na Colômbia“, utilizando uma amostra de 32.605 pessoas, determinou que apenas 13% dessa população havia consumido algum tipo de droga durante sua vida.

Isto mostra que a união da Colômbia e seus cidadãos com as drogas é mais midiática do que real. Claro, ainda existem organizações de tráfico de drogas nesta nação, mas nenhum país inteiro pode ser generalizado.

Na Colômbia só há café

Os colombianos estão relacionados com duas coisas principais: drogas e café. O estereótipo da Colômbia e do café é tão forte que até países como a Coréia do Sul fizeram comerciais nos quais a Colômbia é mostrada como um lugar onde parece que só há café e mulheres bonitas.

Claro, o café é importante e existe até o famoso Eixo Cafeeiro, que é formado pelos departamentos de Caldas, Risaralda e Quindío. Este território foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2011.

Existem muitas plantações de café e lugares que prestam homenagem a este produto colombiano. Por exemplo, o Parque del Café, um parque temático que está localizado no município de Montenegro em Quindío e vários de seus atrativos fazem alusão ao café.

Com tudo isso, queremos dar a entender que o café é importante, mas a Colômbia não se reduz apenas a isso. Neste país também há grandes cidades que subsistem graças a outras atividades econômicas. 

Além disso, é claro que há milhões de camponeses que fazem um trabalho muito importante para o país, como o cultivo de café e outros produtos básicos, mas não é o único perfil de colombiano que você encontrará. A Colômbia se destaca pelo seu pluralismo, aqui você encontrará indígenas, brancos, negros e mestiços. Muitas vezes é bom pensar além do estereótipo.

Colômbia é o país mais feliz do mundo

Uma das notícias mais surreais e replicadas pela maioria dos meios de comunicação na Colômbia foi uma pesquisa realizada em 2016 pelo Barômetro global da Felicidade, que afirmou que a Colômbia era o país mais feliz do mundo. Mais de 68 países participaram da pesquisa e na Colômbia houve uma amostra de 1000 pessoas. É claro que milhares de colombianos acreditaram nessa notícia e isso também ajudou a fomentar o estereótipo do colombiano que está sempre alegre.

Com isso não quero dizer que a pesquisa seja falsa, a questão é que neste tipo de pesquisa deve-se garantir que cada cultura ou minoria presente na Colômbia tenha uma participação. Isso ocorre porque se você for a um lugar onde há pobreza e violência e fizer a mesma pesquisa, os resultados provavelmente serão totalmente diferentes. 

Como exemplo do acima, em 2020, o Observatório de Pulso do Consumidor do Sinnetic realizou uma pesquisa que resultou em 89% dos colombianos se sentindo infelizes. Claro que aí vem tudo o que aconteceu com o COVID-19, mas muitas vezes medir a felicidade de um país não pode ser feito apenas por meio de pesquisas, são muitas as variáveis ​​que devem ser levadas em consideração. 

Agora que tudo isso foi dito, quero esclarecer que na Colômbia há muitas pessoas alegres e extrovertidas, mas também há pessoas tímidas e mais reservadas, nem todos os latinos são especialistas em dança e muito menos são sempre felizes. Em muitas ocasiões, ao viajar, você percebe que os estereótipos variam muito e podem ser muito diferentes do que você vê nas séries ou lê na internet.

Algumas dicas para evitar notícias falsas

Atualmente, existem muitas notícias falsas, não apenas sobre a Colômbia em geral, mas sobre política, educação e outros temas de interesse. É por isso que queremos dar-lhe algumas dicas para evitar que você caia nessa notícia enganosa.

Confira outras fontes

Isto é essencial, pois muitas pessoas acreditam que tudo o que vêem na internet ou na TV é real e não se preocupam em verificar as informações. Muitos sites ou blogs só copiam dados que não são necessariamente reais o que faz com que informações imprecisas se repitam em muitos sites.

É sempre importante duvidar, também ter em mente que as páginas da web não são artigos científicos (mesmo nestes textos há notícias falsas ou dados imprecisos), de modo que a realidade pode variar consideravelmente.

Investigue o autor

Muitas vezes nos deixamos levar pelo texto ou vídeo que vemos na internet, mas esquecemos que esses produtos são feitos por uma pessoa e isso implica que em muitas ocasiões haja um preconceito. Com isso quero dizer que se você ler um artigo ou algo que tenha o título de “o aquecimento global não existe”, possivelmente este autor não é um especialista no assunto. 

Na internet existem muitos formadores de opinião, e isso não implica que eles estejam certos. Verifique sempre se o site ou o artigo que lhe dá as informações são uma verdadeira fonte de autoridade ou, caso contrário, se a pessoa que escreve está usando fontes confiáveis.

Nem tudo o que você vê nas notícias é verdade

Com isto não quero dizer que o jornalismo seja ruim, mas muitas vezes as pessoas ficam com a manchete das notícias e não entendem o que realmente está acontecendo. Isso aconteceu com o que eu expus anteriormente com o caso da Colômbia, o país mais feliz do mundo. Claramente a pesquisa existe, mas os resultados são questionáveis.

É por isso que, em muitas ocasiões, para acreditar neste tipo de notícia, você deve verificar como foi a metodologia da pesquisa. Com isto quero dizer ver quantas pessoas foram entrevistadas ou como elas obtiveram as informações. Depois de entender isso, você pode verificar que muitas manchetes na imprensa são exageradas ou totalmente falsas.

Mais dicas de viagem para a Colômbia

Search

About Author

Frank

Frank

Olá, eu sou Frank Spitzer, o fundador e o coração por trás da Pelecanus, uma operadora de turismo especializada em viagens na Colômbia. Meu percurso em viagens é amplo — já viajei para mais de 60 países, absorvendo culturas, experiências e histórias. Desde 2017, tenho usado essa riqueza global de experiência para criar experiências de viagem inesquecíveis na Colômbia.Sou reconhecido como uma das principais autoridades em turismo colombiano e tenho uma profunda paixão por compartilhar esse belo país com o mundo. Você pode ver um pouco das minhas aventuras de viagem e percepções sobre a Colômbia no meu canal do YouTube. Também sou ativo em plataformas de mídias sociais, como TikTok, Facebook, Instagram e Pinterest, onde compartilho a cultura vibrante e as paisagens deslumbrantes da Colômbia.Para fazer contatos profissionais, fique à vontade para se conectar comigo no LinkedIn. Junte-se a mim nesta incrível jornada e vamos explorar as maravilhas da Colômbia juntos!

youtube Facebook Instagram Pinterest Tiktok