Pelecanus

As 7 lendas mais aterrorizantes da Colômbia

Sculpture of the famous legend of Colombia Juan Machete

Atualizado em 25/01/2024

Caro leitor:
Meu nome é Frank e eu dirijo uma agência de viagens em Bogotá, Colômbia. Divirta-se enquanto lê!

Em um país como a Colômbia e na grande maioria dos países latino-americanos existem muitas histórias, mitos e lendas que foram transmitidas por gerações. Uma lenda é uma narrativa de natureza popular, que apesar da passagem do tempo tem sido transmitida oralmente ou por escrito. Estas histórias incluem elementos fantásticos ou sobrenaturais.

Na Colômbia encontramos histórias incríveis sobre pessoas que cometeram crimes atrozes, guiados por seu orgulho, sua avareza ou por sua luxúria e por essa razão, eles foram punidos a vagar incansavelmente por toda a eternidade. Para que você se misture com a cultura colombiana e também conheça essas histórias, quero mostrar a você algumas das lendas mais aterrorizantes deste maravilhoso país.

Juan Machete

Uma das lendas mais conhecidas dos llanos colombianos é a aterrorizante história de Juan Machete.

Diz-se que há muito tempo em Macarena (um município localizado no departamento de Meta), vivia um homem chamado Juan Francisco Ortiz, que em seu coração só mantinha ambição e fome de poder. Cego por sua ambição, Juan decidiu entrar em contato com o demônio. O homem ofereceu-lhe a sua alma, a de sua esposa e a de seus filhos em troca de poder e riqueza.

O rei do inferno concordou em ajudá-lo, mas antes disso ele o encomendou em uma missão perturbadora. O demônio o encarregou de levar um gato preto e uma galinha preta (outras versões da história dizem que era um sapo e uma galinha) nas profundezas da floresta em uma Sexta-Feira Santa. Lá, Juan à meia-noite costurava os olhos dos animais e os enterrava vivos. Depois disso o pacto foi fechado, o demônio apareceu e lhe disse:

“O pacto é feito, até o dia que eu decidir.”

A partir desse momento, Juan começou a ter uma trajetória positiva, seus negócios cresceram rapidamente, suas terras eram férteis e produziam alimentos muito rápido, além de seu gado se reproduzir a uma velocidade incrível.

Certa manhã, Juan avistou um imponente touro negro em suas terras, com quatro cascos e dois chifres brancos. O homem ingenuamente achou que era de um vizinho e tentou tirar, mas não conseguiu, o touro ficaria lá.

Juan não estava satisfeito com tudo isso, ele queria mais riqueza e mais poder. Um dia, enquanto ele estava verificando o gado, uma cabra falou com ele e disse:

“Juan, em sua fazenda aparecerão alguns trabalhadores, contrate-os porque eles serão seus fiéis servidores. Eles irão sob o comando de um homem chamado Constantinopla, batizá-lo rezando um credo ao contrário. Com isso, suas riquezas duplicarão e não haverá homem mais rico em toda a região”.

Aqueles homens que eram servos do diabo ajudaram Juan. Logo sua riqueza aumentaria e ele se tornaria o homem mais rico da região. Mas, lembre-se, tudo o que vem de uma maneira ruim vai desaparecer mais cedo ou mais tarde. Anos se passaram e todos os dias as palavras do diabo “A aliança é feita, até o dia em que eu decidir”, ecoaram na cabeça de Juan.

Eventualmente, o destino do homem começou a desaparecer. Suas terras pararam de produzir comida, uma seca fez com que seus animais morressem, sua casa incendiada, os trabalhadores do diabo desapareceram e, eventualmente, sua família também o abandonou. A única companhia que restou foi a do touro preto que nunca deixou sua terra. O homem levou as riquezas que lhe restavam, foi para a floresta onde as enterrou e, com o passar do tempo, morreu.

Os ataques de Juan Machete

Juan foi pagar sua dívida com o diabo e, claro, sua alma nunca descansou. O humano Juan morreu, mas em seu lugar apareceu a entidade conhecida como Juan Machete.

Diz-se que, nas profundezas das florestas da Macarena, Juan em um estado louco ataca qualquer um que se aproxime do lugar onde enterrou seu tesouro. No final, Juan foi deixado sozinho e eternamente condenado a proteger uma fortuna que ele não pode mais desfrutar.

A Muelona

Durante o tempo da colônia espanhola, na região andina do que hoje é a Colômbia diz-se que vivia uma mulher maligna que era conhecida como “La Muelona”.

Esta mulher era conhecida por praticar artes negras, como a adivinhação através das linhas da mão ou cartas de baralho. Mas sua reputação era tão ruim porque ela estava encarregada de arruinar casamentos, aconselhando jovens mulheres com métodos para evitar que engravidassem e encorajando todos os tipos de imoralidades.

Diz-se que por causa da mulher, as doenças venéreas começaram a ser comuns em toda a área e que centenas de pessoas foram deixadas em ruínas. Eventualmente, a mulher faleceu, mas coisas estranhas começaram a acontecer, sua casa estava cheia de um cheiro pungente e nauseabundo. Isto fez com que ninguém quisesse se aproximar da casa da mulher.

Uma noite, uma antiga cliente da mulher decidiu entrar na casa, com o objetivo de procurar joias e fantasias ou qualquer objeto de valor. Quando ela desligou a lâmpada, o lugar ficou cheio de morcegos, a mulher assustada tentou sair, mas de repente ela ouviu uma voz dizendo:

“Vou me vingar dos homens jogadores e perniciosos, das mulheres leves e sem vergonha, estarão comigo no inferno, eu sou a muelona!”.

A antiga cliente, tremendo e quase sem poder reagir, saiu correndo da casa da feiticeira para buscar ajuda. Depois de comentar o que aconteceu, as autoridades decidiram queimar a casa da feiticeira. Mas a partir daquele momento, em toda a região andina, as pessoas começaram a dizer que uma entidade conhecida como Muelona estava atormentando o povo.

Os ataques da Muelona

Desde que a casa da mulher foi incendiada, diferentes pessoas afirmam ter visto a entidade conhecida como Muelona. Diz-se que este ser assombra as estradas e está localizado perto das árvores. Geralmente aparece entre 18:00 e 21:00.

A Muelona assume a aparência de uma mulher jovem, linda com cabelos longos, olhos penetrantes e sempre mostra seus dentes, o que faz parecer que ela estava constantemente sorrindo. Este ser geralmente seduz suas vítimas e uma vez que eles se aproximam dela, a Muelona passa a abraçar a pessoa e esmagá-la com seus poderosos dentes.

A tradição diz que a Muelona geralmente procura infiéis, viciados em jogos e alcoólatras. Por outro lado, os camponeses comentam que esta entidade não ataca mulheres que vão ser mães e pessoas que moram em uma casa onde nasceu um bebê recentemente.

O Sombrerón

Esta lenda é típica dos departamentos de Antioquia, Huila e Tolima e conta a história de um personagem sombrio que espreita à noite.

Diz-se que, no século XIX, dois homens chamados Santiago Echevarría e Camilo Restrepo, conhecidos por serem bêbados e jogadores inveterados, estavam bebendo e jogando até tarde da noite.

Finalmente, já cansados, ambos decidiram voltar para casa. Depois de caminhar por alguns minutos, no horizonte da escuridão profunda veio um homem alto, montado em um cavalo, vestido completamente de preto com um chapéu grande. E a coisa mais assustadora era que ele tinha um rosto diabólico, com características que o distanciavam de qualquer indício de humanidade e, somado ao acima, ele estava acompanhado por dois cães negros amarrados com correntes.

Os homens tremendo e quase incapazes de reagir, sem entender nada, por puro instinto de sobrevivência fugiram. Mas de repente uma voz sombria que congelaria o sangue de qualquer pessoa disse: 

“Se eu chegar até você, coloco em você.”

O Sombrerón começou a perseguir os dois homens montando seu cavalo a toda velocidade. A entidade demoníaca jogou seu chapéu em Santiago, o objeto aumentou de tamanho e conseguiu cobrir o homem em sua totalidade. Depois disso, Santiago desmaiou e o chapéu voltou para seu dono. A entidade desapareceu deixando para trás um vento gelado e de mau cheiro.

As horas se passaram e finalmente Santiago acordou, sem saber se o que ele tinha experimentado era produto de alucinação de sua embriaguez ou realmente tinha acontecido.

As aparições do Sombrerón

A partir desse momento, várias pessoas começaram a relatar os ataques desta entidade que eles chamavam de Sombrerón. A lenda diz que este ser demoníaco geralmente ataca bêbados, pessoas que ficam acordadas até tarde, lutadores e jogadores inveterados.

O Sombrerón também é conhecido como o Cavaleiro sem Zamarros ou o Cavaleiro Preto e diz-se que foi visto em diferentes lugares, como nos departamentos de Bolívar, Tolima, Huila e Valle del Cauca. Além disso, ele também já foi visto em cidades como Jardín, que é uma cidade patrimonial localizada no departamento de Antioquia.

La Madre de Agua ou A Mãe da Água

Esta lenda é comum nos departamentos de Antioquia e Tolima. Esta história é sobre uma mulher atormentada pela perda de seu filho e seu amado.

A história nos leva ao tempo da conquista espanhola, durante este período era comum que os soldados europeus procurassem as diferentes comunidades indígenas para subjugá-los e roubar suas riquezas.

Um dia, os soldados espanhóis encontraram um assentamento, que era governado por um jovem cacique. O líder indígena era forte e bonito. Depois de um breve confronto, eles conseguiram dominar o índio. Os soldados espanhóis tentaram fazer com que o jovem índio dissesse onde estavam os tesouros de seu povo, mas ele não entendia espanhol e também era muito orgulhoso, então sob nenhuma circunstância ele ajudaria seus agressores. O capitão, irritado com o comportamento do índio, ordenou que ele fosse amarrado e chicoteado.

O que ninguém esperava é que, à distância, a filha do capitão, uma jovem que não teria mais de 15 anos, muito bonita, com olhos claros e cabelos loiros, olhava com grande interesse para o índio bonito. Quando os superiores não estavam vigiando o cacique, a jovem se aproximou do soldado que estava torturando o índio e implorou-lhe para deixá-lo ir. O espanhol foi incapaz de recusar o pedido da bela mulher, então ele libertou o cacique. Naquele momento, o índio e a espanhola escaparam para as profundezas e densidades da floresta. Uma vez que eles estavam fora e embora eles não pudessem entender um ao outro, ela beijou o índio e disse:

Vamos fugir, leve-me com você, eu quero ser sua.”

O índio, absorvido pela beleza da jovem, se apaixonou instantaneamente e decidiu levá-la com ele. O casal se estabeleceu em um bohío (uma cabana que tem uma forma circular), de um amigo do índio. Meses se passaram e o casal viveu feliz e até um bebê chegou em casa.

Mas mesmo em momentos de felicidade, os problemas logo aparecem. Uma mulher indígena, apaixonada pelo cacique, sentindo-se rejeitada e irritada, decidiu entrar em contato com a família da jovem. O capitão espanhol, cheio de raiva e ansioso por vingança, partiu com alguns soldados para o lugar onde sua filha estava.

Chegando sem qualquer tipo de compaixão e com raiva e ódio em seus olhos, ele ordenou que os pais fossem amarrados a um tronco na margem do rio. O espanhol olhou com ódio para seu neto e sem hesitar o agarrou e disse:

“Você vai morrer índio imundo, eu não quero que os descendentes manchem minha nobreza, você não é da minha linhagem.”

O capitão então ordenou que o menino fosse jogado no rio. Os pais tentaram desesperadamente ajudar o pequeno, mas era tudo inútil, eles não podiam nem escapar do tronco ao qual estavam amarrados. Infelizmente, a tortura da jovem espanhola estava longe de acabar. Seu pai os levou para o acampamento, onde sem qualquer sinal de compaixão ordenou a decapitação do índio sob o olhar atento de sua amada.

A jovem, traumatizada e cheia de raiva, foi libertada. Algumas horas depois, ela escapou novamente, foi para o rio onde seu filho tinha sido morto e pulou, tirando a própria vida. Sua alma atormentada não poderia descansar em paz e logo se tornaria a temível Mãe da Água.

Os Ataques da Mãe da Água

Diz-se que o espírito vingativo da jovem espanhola assombra os rios, nascentes e riachos colombianos. As histórias contam que esta entidade é revelada como uma linda jovem, com olhos claros e cabelos dourados, mas tem uma particularidade, seus pés são voltados para trás.

A Mãe da Água se interessa por crianças e adolescentes. Diz-se que quando você se aproxima, você pode ouvir uma voz melodiosa cantando uma canção de ninar. Os jovens que a veem ficam apaixonados, logo perdem sua sanidade e começam a sonhar com ela constantemente.

Esta deusa das águas, usando o amor que as crianças sentem por ela, manipula-as para fazê-las se jogar nas águas, colocando em risco a vida dos jovens.

A Candileja

Esta lenda é tradicional dos Llanos Orientais e conta a história de 3 bolas ígneas malignas que perseguem os imorais, bêbados, irresponsáveis e até mesmo os pobres viajantes que se encontram sozinhos ao amanhecer.

Diz-se que há muito tempo, vivia uma família composta por uma idosa milionária e seus dois netos. A mulher mimou demais as crianças e, como resultado, eles eram muito rebeldes, fizeram muitas travessuras e até se diz que chegaram ao limite de pedir à avó que fizesse como cavalo para que pudessem brincar, o que ela aceitou.

Com o passar do tempo, a saúde da mulher piorou e ela acabou morrendo. Quando chegou ao céu, conheceu o próprio São Pedro, que reclamou com ela por não ter tido mais autoridade com seus netos.

Como punição, o guardião do céu ordenou que, por toda a eternidade, a mulher seria condenada a permanecer na Terra na forma de três bolas ígneas simbolizando a avó e os dois netos.

Os ataques da Candileja

Esta entidade maligna se caracteriza porque, apesar de ser um espectro, não esqueceu o amor que tinha por seus netos. Quando vê um pai irresponsável ou alguém que maltrata uma criança, ela os ataca sem nenhum tipo de compaixão. Além disso, como muitas outras entidades, também tem um ódio pelos bêbados, a quem ataca constantemente.

Este espírito não é tão mau, porque quando ela vê uma criança perdida, em vez de atacá-la a ajuda mostrando-lhe o caminho de volta para sua casa.

A Pata Sola

Uma das lendas mais conhecidas em toda a Colômbia (especialmente em Tolima) é a da Pata Sola. Esta história conta sobre uma entidade terrível que seduz suas vítimas e depois as mata de maneiras horríveis.

Diz a lenda que há muito tempo vivia uma família composta por um humilde camponês, sua linda esposa e seus três filhos. O homem trabalhava na fazenda de um homem muito rico, que tinha muitos trabalhadores.

Um dia, o dono da fazenda, cansado da monotonia, ordenou a um de seus vaqueiros que arranjasse uma bela jovem mulher para ser sua amante. O trabalhador aconselhou seu chefe a ir ao rio para ver as mulheres lavando roupas. Uma vez lá, o chefe notou a esposa do camponês e, por sua vez, a mulher mostrou interesse nele.

A partir daquele momento, o dono da fazenda estabeleceu o objetivo de conquistar essa linda mulher. Ele trouxe presentes e estava atento a ela. Pouco a pouco a mulher se apaixonou pelo homem e os dois começaram um relacionamento em segredo.

O tempo passou e a relação entre o humilde camponês e sua esposa tinha se deteriorado. Um dia esse homem se encontrou com um amigo, que não era outro senão o vaqueiro que aconselhou o chefe a ir ao rio ver mulheres. O humilde camponês, com um tom triste, disse ao seu amigo que sua esposa estava distante com ele, que o tratava mal e que já não sentia que ela o amava da mesma maneira. O vaqueiro, sentindo-se culpado, decidiu contar a verdade sobre a relação secreta entre o chefe e a esposa do camponês. Este último oprimido pela notícia, levantou-se, agradeceu ao amigo e saiu sem dizer nada.

O camponês furioso e impotente decidiu verificar se essa relação realmente existia. Ele chegou em casa e lhe disse à esposa que o chefe o tinha mandado para a aldeia e que ele não voltaria até a noite. O homem voltaria um pouco mais cedo e quando ele chegou viu que sua esposa não estava lá. A mulher chegou por volta da meia-noite, o camponês a questionava por seu paradeiro e ela respondeu:

Amor, eu estava lavando umas roupas.”

A desculpa era ridícula e o camponês sabia isso, mas a única coisa que ele respondeu foi que no dia seguinte ele também deveria ir para a aldeia. Nesta ocasião, o camponês não foi a lugar nenhum, mas se escondeu na frente de sua casa e esperou pacientemente. Ao anoitecer, ele viu seu chefe se aproximar de sua casa, a mulher o cumprimentou e pulou em seus braços.

O camponês ficou furioso. Sem dizer uma palavra, ele pegou um facão e com uma expressão de fúria em seu rosto lentamente se aproximou onde estavam seu chefe e sua esposa infiel. Quando o camponês estava muito perto, o chefe notou sua presença, mas já era tarde demais, o dono da fazenda foi decapitado com uma única fatia com o facão impulsionado pela raiva do homem.

A mulher estava aterrorizada, ela se obrigou a reagir e tentou fugir, mas seu marido foi mais rápido do que ela. Sem qualquer compaixão, o camponês cortou a perna de sua esposa, matando-a, pois ela sangrou até a morte em pouco tempo.

O camponês foi preso, mas não permaneceu na prisão por muito tempo. Quando recuperou sua liberdade, voltou para casa, levou seus filhos com ele e incendiou sua antiga casa. A questão é que a história não termina aqui, logo depois, foi dito que uma mulher estranha com apenas uma perna perambulava pelas estradas e quando as pessoas a veem, grita de forma aterradora. Esta seria a origem da Pata Sola.

Os Ataques da Pata Sola

Diz-se que a partir desse momento, a Pata Sola se esconde nos vales, montanhas e planícies da Colômbia, com o objetivo de atrair e seduzir os homens e depois matá-los.

Há duas supostas maneiras pelas quais esta entidade se manifesta. A primeira diz que ela aparece como uma linda mulher que seduz os homens solitários que passam pelas estradas. Estes homens, ingênuos, seguem a mulher até as profundezas da floresta, onde ela se transforma em um monstro horrível com uma boca anormalmente grande, da qual sobressaem dentes felinos e um olhar aterrorizante. Depois de sua transformação, ela ataca sua vítima.

Outra maneira pela qual a Pata Sola se manifesta é através de gritos horríveis. Diz-se que às vezes os viajantes ouvem gritos horríveis de socorro, quando as pessoas se aproximam da fonte dos gritos, estes se tornam cada vez mais tristes. Quando chegam aonde a mulher está chorando, ela se transforma em uma besta horrível que ataca suas vítimas, suga seu sangue e finalmente esmaga-as com seus dentes felinos.

O Silbón

Esta lenda, muito comum nos llanos, nos fala sobre um homem mimado que matou seu pai só por não cumprir seus caprichos.

Diz-se que há muito tempo vivia um jovem extremamente mimado e caprichoso, qualquer desejo que ele tinha, sua família o cumpria rapidamente. O menino tinha uma característica e que é que ele costumava assobiar enquanto caminhava.

Um dia, a família se reuniu para almoçar. Quando colocaram o prato no jovem caprichoso, olhou para ele com desprezo, levantou-se e jogou a comida no chão, enquanto dizia:

“Que nojento, eu queria carne de veado”.

Ele então se foi do lugar, deixando sua família confusa. O pai do jovem, que o mimou muito, pegou seu rifle e foi caçar os cervos que seu filho tanto queria. A noite chegou e infelizmente o pai não conseguiu pegar o cervo.

Enquanto isso, seu filho estava ficando bêbado, como ele fazia diariamente, quando se cansou, ele se levantou e foi para casa assobiando. No caminho ele teve o infortúnio de encontrar seu pai, que muito tristemente lhe disse que ele não tinha sido capaz de caçar o veado. O jovem caprichoso, com uma expressão de fúria e sem qualquer tipo de compaixão por seu pai, bateu nele até o chão. Depois, pegou o rifle de seu pai e terminou com ele. O assassino também pegou a faca de caça do pai e, sem qualquer hesitação, arrancou suas entranhas.

Quando o filho chegou em sua casa deu a sua família a carne de seu pai, eles perguntaram-lhe “de onde você tirou essa carne?” ao que o jovem, sem nenhum arrependimento, respondeu:

“Esta carne é do inútil do meu pai, que não podia caçar meu veado.”

A família ficou horrorizada. Naquele momento, o avô do jovem caprichoso, que era mais severo que seu filho, ordenou que seu neto fosse amarrado a uma árvore fora de sua casa. Quando ele foi amarrado, o avô cheio de raiva, começou a chicotear o jovem caprichoso e quando sua carne foi exposta derramou aguardiente sobre seu neto (outras versões asseguram que ele derramou sal e chili).

Depois disso, o avô amaldiçoou seu neto, fazendo-o vagar por toda a eternidade e também fez o perro tureco (uma entidade que persegue as almas daqueles que cometeram pecados em sua vida) persegui-lo para sempre. O jovem voltou ao local onde havia assassinado o pai, recolheu os ossos e os manteve em um saco. Depois se afastou enquanto assobiava e dali nasceu a entidade maligna conhecida como o Silbón.

Os ataques do Silbón

Diz-se que ouvir o Silbón é um prenúncio de má sorte, pois pode significar que sua morte está próxima. Uma característica deste ser é que seu assobio se assemelha às notas musicais que fazem, re, mi, fa, sol, la, si, portanto se você ouvir tal som, tenha cuidado. Se você ouvir o assobio de perto, pode ficar tranquilo porque o Silbón está longe, mas se você ouvir o assobio longe, tenha cuidado, isso significa que a entidade está por perto.

Como muitos outros personagens de lendas colombianas, o Silbón também ataca pessoas imorais. Este ser gosta de atacar os bêbados, a quem ele chupa o umbigo para procurar aguardiente. Outras vítimas são os homens mulherengos, que ele despedaça e guarda seus pedaços em sua bolsa, onde também descansam os restos mortais de seu pai.

A lenda diz que a melhor maneira de se salvar do Silbón é com a ajuda de um cão, pois o latido destes animais o aterroriza.

Mais histórias assustadoras

Estas eram apenas algumas das incontáveis lendas folclóricas colombianas sobre espíritos e entidades malignas. Se você quer conhecer mais histórias tradicionais de terror associadas a lugares específicos, recomendo que você leia o artigo: Os lugares mais aterrorizantes que você pode encontrar na Colômbia.

Caro leitor
Gostou do nosso conteúdo? Convidamos você a compartilhá-lo e espalhar a mensagem de que a Colômbia é um dos países mais bonitos do mundo.

Search

About Author

Frank

Frank

Olá, eu sou Frank Spitzer, o fundador e o coração por trás da Pelecanus, uma operadora de turismo especializada em viagens na Colômbia. Meu percurso em viagens é amplo — já viajei para mais de 60 países, absorvendo culturas, experiências e histórias. Desde 2017, tenho usado essa riqueza global de experiência para criar experiências de viagem inesquecíveis na Colômbia.Sou reconhecido como uma das principais autoridades em turismo colombiano e tenho uma profunda paixão por compartilhar esse belo país com o mundo. Você pode ver um pouco das minhas aventuras de viagem e percepções sobre a Colômbia no meu canal do YouTube. Também sou ativo em plataformas de mídias sociais, como TikTok, Facebook, Instagram e Pinterest, onde compartilho a cultura vibrante e as paisagens deslumbrantes da Colômbia.Para fazer contatos profissionais, fique à vontade para se conectar comigo no LinkedIn. Junte-se a mim nesta incrível jornada e vamos explorar as maravilhas da Colômbia juntos!

youtube Facebook Instagram Pinterest Tiktok